Integração de sistemas: por que ela é sempre uma dor de cabeça?

Quanto mais complexas as informações, maior é o desafio de integrá-las a sistemas diferentes – e esse é um trabalho que exige dedicação constante

por Roberto Milan*

A utilização de dados é um mecanismo estabelecido em empresas de todos os segmentos sendo que algumas delas, por conta da natureza do negócio, precisam gerir um maior volume de informações do que outras. É o caso das seguradoras, uma vez que cada apólice reúne em torno de 400 dados diferentes. Isso gera uma complexidade que se reflete também nos sistemas utilizados por essas organizações – e, consequentemente, na integração deles.

Esse desafio tem se intensificado ao longo dos anos. Os sistemas desenvolvidos no setor, até então, não eram tão profundos e detalhistas, por exemplo. A emissão de apólices de seguro também era uma tarefa mais simples, pois os documentos, que tinham o tamanho de uma página, hoje são muito maiores e seguem questões legais mais rigorosas. Trata-se, em última instância, de um contrato, com regras a serem seguidas. E isso gera mais detalhamento nos sistemas.

Todos esses elementos contribuem para que a integração dos sistemas seja um entrave de peso no funcionamento de diversas organizações. E unir diferentes sistemas continua sendo uma condição inevitável; não existe nada que opere de forma isolada. Obviamente, para alcançar a sinergia necessária entre eles, a empresa precisa direcionar investimento – que geralmente pode ser elevado. A questão é que todo esse processo, mais restrito aos bastidores da organização, não é visto pelo cliente final e, em muitos casos, pela própria empresa. E o que as pessoas não conseguem ver tende a ser lido, erroneamente, como algo inexistente,  ou como um custo que não trará resultado.

Nós, da TI, sabemos que é extremamente difícil comemorar vitórias em projetos dessa natureza, pois o trabalho com sistemas não tem fim e sempre vai apresentar tropeços. Ao mesmo tempo, isso não deve nos limitar e nos impedir de enfrentá-los – afinal, vencidos os percalços, a qualidade dos dados de sistemas integrados é muito mais efetiva na tomada de decisão em qualquer negócio.

Portanto, encarar o tema com a importância e a maturidade que ele exige é a melhor forma de lidar com esse desafio, que requer um olhar direcionado às atualizações dos sistemas, à mão de obra qualificada, à estratégia do negócio e à segurança da informação.

 

(*) Roberto Milan é diretor operacional da Sistran

 

Saiba mais:

“Meta mínima para o ano é repetir desempenho de 2017”, destaca presidente do Sincor-SP

O paradoxo da produtividade e da satisfação com a TI

Transformação digital dos seguros: o suco de laranja e a redescoberta do risco


28 de setembro de 2018 | Atualizado dia 10 de setembro de 2018


ÚLTIMAS POSTAGENS

  • Artigo

Mudança de cultura, o primeiro passo para a seguradora digital

Além da tecnologia, a verdadeira transformação requer inovação em processos internos e engajamento de colaboradores por Cristiane Dompieri* Nem só…Leia mais.

  • Artigo

Mudança de cultura, o primeiro passo para a seguradora digital

  • Reportagem
  • Sem categoria

Transformação digital como aliada no combate a fraudes nos seguros

Tecnologia auxilia seguradoras a diminuir o número de perdas com golpes envolvendo diversos tipos de seguros Um dos principais desafios…Leia mais.

  • Reportagem
  • Sem categoria

Transformação digital como aliada no combate a fraudes nos seguros